O Anticristo manifesto

[Por: John Wycliffe]

“(…)

17- O papa, que falsamente chama a si próprio o servo dos servos de Deus, não tem o status de trabalhador do evangelho, mas apenas trabalhador do mundo. Se ele tem algum ranque, é na ordem dos demônios, ou daqueles que servem a Deus em forma de blasfêmia.

18- O papa não dispensa simonia por um voto imprudente, uma vez que ele é o chefe simoníaco que imprudentemente faz o voto de preservar essa danação e o seu status aqui desta forma. Nesta frase o erro está apenas no fim.

19- A afirmação que o papa é o supremo pontífice é ridícula. Cristo não deu essa função nem a Pedro e nem a ninguém mais.

20- O papa é o anticristo manifesto. Não apenas esse papa em particular, mas a multidão de papas, desde os temos em que a igreja de cardeais, bispos e outros cúmplices se institucionalizou de forma a compor uma pessoa monstruosa, que é o anticristo. E isso não foi alterado pelo fato de que Gregório ou outros papas, que fizeram algumas coisas frutíferas, se arrependeram no final de suas vidas.

21- Pedro e Clemente, junto com todos os outros auxiliares da fé, não eram papas, mas auxiliares de Deus no trabalho de construir a igreja de nosso senhor Jesus Cristo.

22- Declarar que a pré-eminência papal se origina na fé do evangelho é uma coisa falsa, e todos os demais erros que se levantam a partir desta verdade original.

23- São doze os procuradores e discípulos do anticristo: o papa, os cardeais, os patriarcas, os arcebispos, os bispos, os arquidiáconos, os oficiais, os diretores, os monges, os cânones de chapéu de duas pontas, os padroeiros e os recém introduzidos pseudo freis.

(…)

John Wycliffe – The Council of Constance – Sessions 14-20 (4 July – 21 November 1415)

Tradução – Leandro Villela de Azevedo