Aprendendo sobre a Graça

[Por: Martyn Lloyd-Jones]

“…Jamais devemos dizer que a graça significa ausência da Lei; isto é antinomismo o qual é condenado em toda parte no Novo Testamento. Havia alguns cristãos primitivos que diziam: ‘Ah, não estamos mais debaixo da lei, estamos sob a graça; quer dizer que o que fazemos não importa. Uma vez que nao estamos mais debaixo da lei, e sim debaixo da graça, vamos pecar, para que a graça seja mais abundante! Vamos fazer o que quisermos; isso não importa. Deus é amor, fomos perdoados, estamos em Cristo, nascemos de novo; portanto, façamos tudo que quisermos‘.

Estas falsas deduções são tratadas nas Epístolas aos Romanos, aos Coríntios e aos Tessalonicenses, e também nos três capítulos iniciais do livro do Apocalipse. É um trágico engano pensar que quando temos a graça, não há nela nenhum elemento da lei, mas que há uma espécie de licença.

Isso é uma contradição do ensino bíblico concernente a lei e a graça. Existe graça na lei; existe lei na graça. Como cristãos, não estamos “sem lei“, afirma Paulo, porém estamos “debaixo da lei de Cristo” (1Cor 9:21). Naturalmente, há disciplina. De fato, o cristão deve ser muito mais disciplinado que o homem que está debaixo da lei, porque enxerga mais claramente seu significado, e tem maior poder. Ele tem uma compreensão mais verdadeira e, portanto, deve ter uma vida melhor e mais disciplinada. Não há menos disciplina no Novo Testamento do que no Velho Testamento; há na verdade mais, e num nível mais profundo. Em todo caso, como o apóstolo Paulo ensina, escrevendo aos gálatas, não devemos repudiar a lei, pois “a lei nos serviu de aio, para nos conduzir a Cristo” (Gl 3:24). Não coloquemos estas estas coisas como se fossem opostas. A lei foi dada por Deus a fim de que os homens fossem, por assim dizer, encarcerados e encerrados em Cristo, que havia de vir, que haveria de outorgar-lhes esta grande salvação.

Eu afirmo, pois, que esta ideia moderna entende de forma completamente errada tanto a lei como a graça. É uma balbúrdia completa, uma confusão total; na verdade, não é bíblica de modo nenhum. Não passa de filosofia humana, de psicologia humana. Emprega termos cristãos, mas os esvazia em seu sentido verdadeiro.”…
___________________________________________________________________
Martyn Lloyd-Jones – Criando Filhos – O modo de DeusEditora PES – p.52
Fonte (facebook) – Jonas L Rodrigues