A Necessidade da Provação

[Por: Martinho Lutero]

Estas, pois, são as nações que o SENHOR deixou ficar, para por elas provar a Israel, a saber, a todos os que não sabiam de todas as guerras de Canaã.” [Juízes 3:1]

“…Quem está livre de provação por uma hora sequer? Não quero falar das provações da adversidade, que são incontáveis. Pois também isto é a provação mais perigosa:quando não há provação, e tudo está e anda bem; que então a pessoa não se esqueça de Deus, fique livre demais e abuse da temporada feliz. Sim, então sua necessidade de invocar o nome de Deus é dez vezes maior do que na adversidade. Assim, também Moisés se preocupou com a possibilidade de seu povo abandonar o mandamento de Deus por nenhuma outra razão senão por estar de barriga cheia demais, como ele diz em Dt 32.15: “Meu querido povo ficou rico, empanturrado e gordo; por isso se voltou contra o seu Deus.” Por isso Deus também fez com que permanecessem muitos dos seus inimigos e não os quis expulsar, para que tivessem de se exercitar no cumprimento dos mandamentos de Deus, conforme está escrito em Jz 3.1s. Da mesma maneira age também conosco ao nos infligir toda sorte de infortúnios, para nos ensinar e impelir a honrar e invocar o seu nome, a ganhar confiança e fé nele e, desta forma, cumprir os dois primeiros mandamentos“…
___________________________________________________________________
Martinho Lutero – Obras Selecionadas Vol. 2. Ed. Sinodal, 2005, (O capítulo 15 da Primeira Carta de S. Paulo aos Coríntios), p. 120
Fonte – Fabrício Zamboni