O bem obtido pelas tentações

[Por: John Welch]

No demais, irmãos meus, fortalecei-vos no Senhor e na força do seu poder.
Revesti-vos de toda a armadura de Deus, para que possais estar firmes contra as astutas ciladas do diabo.” [Efésios 6:10-11]

“…Primeiro. Através das tentações Ele vos fará confessar os pecados da mocidade, assim como fez Jó, os quais de outro modo amais vos lembraríeis nem vos arrependeríeis deles. Pelas tentações, portanto, Ele os traz à vossa memória, fazendo-vos lamentar por eles, e não vos dará descanso até que alcanceis remissão. Pois se não tivésseis conhecimento deles nem tivésseis vos arrependido deles, jamais teríeis experimentado perdão. Porque sem conhecimento não há lembrança, sem lembrança não há arrependimento e sem arrependimento não há remissão ou perdão. E, a menos que sejais perdoados nesta vida, jamais vereis a vida eterna. Portanto, ao vos fazer lembrar dos pecados da vossa mocidade, o Senhor visa nisso ao vosso bem-estar.

Em segundo lugar, o Senhor permite que pelas tentações vejais em vós um mundo de iniquidades, que vejais que dentro de vós á pecado suficiente para condenar um mundo inteiro, quanto mais a vós mesmos que sois apenas um único indivíduo. Pelas tentações, portanto, o Senhor traz à tona os monstros secretos que estão à espreita em vossos corações, e que vos devorariam de imediato, se lhes fosse permitido.

Em terceiro lugar, pelas tentações o Senhor permite que vejais a amargura do pecado que provoca a ira de Deus contra vós, e que, ao contemplardes isso, tenhais o cuidado de não vos precipitardes novamente no fogo, recalcitrando contra os aguilhões, e vos lançardes nas mãos de um Deus irado, que é um fogo devorador.

Em quarto lugar, sem as tentações não seria possível manter os vossos corações humildes, e se não tivésseis sido objeto de tantas graças estaríeis inchados e inflados de soberba. Se não fossem as múltiplas tentações que Deus envia adrede, o orgulho vos tragaria, pois as tentações são como fissuras no coração que deixam vazar por elas a ventosidade do orgulho.

Em quinto lugar, pelas tentações Deus fará com que os homens tomem conhecimento de suas próprias fraquezas para que, ao contemplarem as suas iniquidades, possam colocar a sua confiança somente em Deus, e para que possam ver que é somente pela graça que conseguem permanecer de pé, e para que, ao caírem, vejam que caíram por causa de si mesmos; nisso são ensinados a renunciarem ao ego e a colocarem a sua fé e confiança somente em Deus.

Em sexto lugar, se não fosse pelas tentações apodreceríamos em nossos pecados, nem sequer nos cingiríamos da nossa armadura e adormeceríamos com o resto do mundo. Assim é, portanto, que o Senhor nos manda as tentações com o propósito de nos manterem alertas e despertos, para nos fazerem tomar e usar a nossa armadura e para purificarmos diariamente os nossos corações pela fé no Senhor Jesus Cristo.

Em sétimo e último lugar, é pelas tentações que Deus multiplica sobre nós a Sua graça e diz: “meu poder se aperfeiçoa na [tua] fraqueza”. Deus não permitirá que sejamos tentados além das nossas forças, pois assim como se renovam as batalhas, a Sua graça também se renova em nós, e é com esse propósito que Ele faz isso: para que possamos ver que as graças do presente são apenas suficientes para cada dia. Portanto, precisamos diariamente da graça fortalecedora e corroboradora, que nos faça crescer diariamente em graça até que alcancemos a perfeição, que não é nesta vida. São essas a maioria das razões pelas quais o Senhor permite que os Seus sejam tentados enquanto estão nesta vida.”…
___________________________________________________________________
John Welch – The Christian Warfare (A Batalha Cristã)
Tradução – Isaías Lobão
Fonte – Monergismo